terça-feira, 30 de junho de 2009

EXPERIMENTAR A VIDA PARA ESCOLHER O MELHOR


O nascimento é uma benção divina que dá à espécie humana a oportunidade de experimentar a vida. Mesmo sem um prontuário ou qualquer tipo de orientação para saber como vão funcionar, os humanos atravessam a trajetória na tentativa de completar a evolução. Ao nascer, muito pouco se sabe e todos precisam de humanos mais experientes para ajudar a entender o mundo ao redor. O impulso maior para estar aqui é que através do corpo vão ao longo do percurso, manifestar vida, consciência e evolução. Podem até gostar ou não, deste corpo, contudo ele é a única ocorrência que certamente os manterá até o fim da experiência de vida. Numa analogia, através do corpo a espécie humana recorda muitas lições. É como estar numa escola, que se pode dizer, é bastante informal. Todos estão inscritos nesta escola, em tempo integral, para aprender o significado de aprimoramento do corpo e da alma, até alcançar o espírito divinizado cujo objetivo é: romper os véus da ilusão.

A experiência da vinda a este planeta é muito farta de experimentos, contendo muitas provas, principalmente aquelas que se referem aos relacionamentos com outros humanos. É nisso que consiste uma das maiores lições: o inter-relacionamento propõe que cada indivíduo é um instrutor que torna possível através da dinâmica da convivência, recordar que no universo não há erros, porque tudo simplesmente é como é. Deve-se, portanto, considerar que muitas vezes, as pessoas são espelhos refletores do psiquismo alheio. Por isso, não se pode amar, nem odiar algo nos outros, a menos que isso se reflita em algo que se ama ou odeia em si mesmo. Destarte, é preciso aceitar que os conflitos que a humanidade vive são o impulso para a mudança profunda de comportamentos que impedem a visão das infinitas possibilidades que o próprio indivíduo humano carrega desde a sua origem. Portanto, os conflitos surgem na justa medida da aprendizagem da consciência que anseia por libertar-se dos laços das sombras da ignorância, típico de um mundo elaborado a partir de ilusões. Com o tempo, percebe-se que a vida é um cenário, um palco onde cada um dramatiza suas dificuldades, conquistas e experiências.

É mágico, viver como humano - a vida pertence a cada um; ela fornece a tela e cada qual faz a sua própria pintura. Isto é uma característica do crescimento como um processo de experimentação. Por isso mesmo, deve-se considerar que os fracassos são também parte do processo de aprendizagem, tanto quanto os êxitos. Existem telas que até certo momento parecem apenas pontos escuros, como borrões, porém são estes pontos que medeiam a beleza das formas humanas que se manifestará em algum momento. O melhor é que as possibilidades se repetem tantas vezes quanto necessário, até que sejam entendidas e aplicadas. Estas são apresentadas em vários formatos, até que se aprenda o real significado de estar aqui. A cada tema assimilado, segue-se adiante, para conhecer outros maiores e mais sofisticados. Mas, há também os momentos difíceis que são criados e fabricados por cada pessoa na justa medida daquilo que será experimentado. É a forma que cada um escolhe para ampliar as capacidades ainda não utilizadas. A criação pressupõe um constante renascer, um ir e vir, para que cada ser possa identificar-se como co-criador em todos os instantes tendo a probabilidade, de usar a criatividade que possuem. Isto implica um caminho único, o do interior.

Assim, é necessário entender e aceitar que os problemas externos são um reflexo preciso do estado interno. Portanto, quando a pessoa clareia os assoreamentos interiores, o mundo ao redor, muda completamente. Por isso, quando surgem dor e sofrimento, é possível alterar a rota dos acontecimentos, depende apenas daquilo que cada um escolhe viver. A dor é o meio pelo qual o corpo e a consciência conseguem a atenção necessária para a mudança. Deste jeito, aos poucos a pedra bruta vai sendo lapidada até surgirem os sábios, que nada mais são do que experimentação, ou seja, a sabedoria decorre da prática. A meta é clara, aprender a valorizar tudo, até mesmo as menores coisas, pois “um pouco de algo é melhor do que muito de nada”.

Pode-se então, dizer que há duas dimensões existindo paralelas e ao mesmo tempo. Uma delas apresenta o cenário da destruição, da violência, das crises globais, das doenças, da fome e da miséria, que carrega como pintura principal a finalização. Enquanto na outra dimensão, a da consciência manifesta-se, a construção, a paz, soluções palpáveis para outro cenário, em que a saúde, a abundância e a prosperidade são a fonte reveladora de vida. Mas, como fazer parte dessa dimensão cujo cenário apresenta um novo mundo? É simples, basta apenas pensar que não existe local melhor do que o AQUI mesmo, neste lugar comum a todos. Deixar de lado aquele desejo ACOLÁ, pois quando ele tornar-se um AQUI, o desejo do ego humano desejará alcançar outro LÁ para desejar, que outra vez parecerá melhor que o AQUI e AGORA. Saber que esta forma de ver e sentir os desejos não passa de mera ilusão, pois a grande constatação, é que todos são aquilo que querem ser e ter. Está mais do que na hora, de focalizar a consciência com intenção dirigida a um mundo na qual tudo se constrói. Deve-se evitar a focalização na destruição para não se tornar agente passivo da manipulação de um sistema caótico.

O único conselho possível é: todos os seres humanos são irradiações divinas, presentes permanentemente, no eterno AGORA. Tudo quanto se pode observar são criações mentais e, aquilo que se denomina tempo e espaço são expressões criadas pela ilusão. Somente existe uma realidade, a única verdade: o infinito amor que concebe a vida e dá a oportunidade de criar constantemente. A mente acredita naquilo que quer porém, o cérebro processa somente códigos e protótipos de ondas de luz que tomam forma sólida, ou seja, o mundo passa a existir quando se olha para ele. Por isso, é preciso pensar que sempre se recebe o que se deseja e também o que se teme. A mente contém em seu nível inconsciente o registro de todas as memórias e aprendizagens, portanto, atrairá a partir de uma escolha - energias, experiências ou pessoas. Logo, o único meio infalível para saber o que cada um é, quer ou teme é ver e sentir o que se tem e o que se é. É hora então, de perguntar: quais valores se podem cultuar pelas coisas do mundo e da vida?

Se, então, aquilo que se vê são apenas códigos e combinação de campos vibratórios, é necessário aceitar que na vida não existem vítimas. Todos são executores das Leis Universais e são capazes de compreender que não há certo ou errado, mas sim, conseqüências e possibilidades. Moralizar não ajuda muito, julgar só prenderá o ser humano a crenças limitantes. Portanto, há de se fazer o melhor, a partir das respostas que estão dentro de cada um. É tempo de caminhar pelas próprias pernas, de amadurecer, de confiar no impulso do amor que palpita no centro cardíaco, onde as Leis do Espírito estão inscritas. Nestas inscrições revela-se o poder e a glória daquilo que cada humano é: um deus encarnado sobre a Terra.

Estar aberto à voz desta consciência é saber que o amor é como uma espada de luz, cujo escudo é a alegria que sacraliza a coerência para escrever a liberdade. É certo que sem amor, viver, não tem sentido, fica-se perdido, e se corre o risco de caminhar contra a luz. É exatamente por esta razão que é muito importante que as ações sejam inspiradas pelo amor. Uma forma simples de fazer isso é agir como as crianças que usam a imaginação e a criatividade na qual está inserida a inocência. É preciso apaixonar-se pela vida para despertar a consciência, sem correr, sem ter intenções de ir para lugar algum, apenas ser como a água que flui, sempre deslizando pelas pedras do grande rio. O mais extraordinário é aceitar que o caminhante é o próprio caminho, que chegar não é importante e que caminho e meta são a mesma coisa. Vibrar nesta frequência impede que as coisas do mundo sejam maiores do que o homem afastando o desequilíbrio, tão comum em sistemas tridimensionais como este que tem como condição, a escravidão e o aprisionamento dos sentidos. Por isto mesmo é necessário acordar no amor que imuniza contra a infelicidade e prepara o coração daqueles que não querem acordar para a única realidade possível: o mundo sem fronteiras. É incrível, muitas são as pessoas que se acostumaram tanto à dor e ao sofrimento que quando uma fagulha da sensação de felicidade acontece, sentem como algo muito estranho. O ser humano está reprimido e afastado de sua real fonte, por isto mesmo, a ternura espontânea incomoda a grande maioria e o amor acaba inspirando desconfiança. É preciso rever essa postura. Poucos são aqueles que se dão conta de que há uma rede de ilusões criando a todo o tempo a continuidade de um estado de coisas que incitam a desordem e o caos.

É urgente celebrar a vida com um cântico à beleza em que a transparência se faz ampla para tornar possível a manifestação da esperança, de que “Ser humano” é constatar aquilo que se é enquanto desbravadores e conquistadores da Terra Mãe. O novo mundo é real, já está plasmado, seus habitantes não são escolhidos, mas é vivido por aqueles que ouvem o chamado.

Para onde caminha a humanidade? A qual mundo você pertence?

Marizilda Lopes
EXTREMA - MG – 09/05/2009 - WESAK

O CHAMADO MÍTICO





Oráculo Maia
Ariel Spilsbury e Michael Bryner

Faz um tempo, um grande concílio galáctico foi convocado e um chamado mítico foi emitido aos inumeráveis seres de luz: os meninos do Sol, os anjos alados, os mensageiros do Sol, os guerreiros do arco-íris e outros seres luminosos de muitos sistemas estelares. No momento da reunião, O AMOR DAS GALÁXIAS GIRATÓRIAS, O GRANDE ESPÍRITO, entrou enchendo de graça com sua luz celestial e com as seguintes palavras:
ESTÃO CONVIDADOS A ENCARNAR EM UM MUNDO, ONDE UMA GRANDE TRANSFORMAÇÃO TOMARÁ LUGAR. Vocês, que responderem a este chamado, irão a um lugar de evolução planetária, onde as ilusões do temor e da separação são fortes mestres. Chamo aqueles com o dom e talento necessários para que lá atuem como meus emissários, para elevar e transformar as freqüências do PLANETA chamado TERRA, simplesmente incorporando e ancorando a presença do amor! Nesse mito vocês serão os criadores de uma nova realidade, a realidade da OITAVA DOURADA.
E o AMOR das Galáxias Giratórias - O GRANDE ESPÍRITO - continuou: em outras viagens cada um de vocês comprovou ser um navegante intuitivo, capaz de despertar sua consciência e alinhar seu coração ao impulso do AMOR PURO e do SERVIÇO COMPASSIVO. Como mensageiros do Sol e portadores da tocha, vocês demonstraram que manterão a luz no alto, e, assim, os convido a encarnar massivamente entre as tribos da Terra para ajudar a GAIA e todos os seus filhos na sua transformação. Esta é a parte do plano em que vocês serão velados pelo esquecimento. Contudo lembrem-se, por enquanto, de que o sentimento da inocência infantil e o da confiança chegarão a ser acionadores harmônicos neste ciclo de começo para a Terra. Encarnarão estratégica e seguidamente em algumas áreas vibracionais mais densas do planeta. Para alguns, essa ilusão de separação do amor poderá criar sentimentos de desolação, falta de apoio e alienação, mas, reconhecendo SUA HUMANIDADE, SEU AMOR TRANSFORMARÁ AS PROFUNDEZAS DA DUALIDADE E SUA LUZ ANIMARÁ A MUITOS.
Sua participação nesse desafio é puramente voluntária, porém essa mudança transformadora sobre a Terra é extraordinária e preciosa. Se vocês chegarem a aceitar essa missão, terão oportunidade de catalizar e sintetizar tudo o que alcançaram durante muitas encarnações, recebendo um extraordinário oferecimento de um SALTO QUÂNTICO de suas consciências. É importante, para vocês, escolher como dançar com a Terra Gaia e seus filhos, enquanto ela completa sua cerimônia de luz.
De tal modo falou o CRIADOR À LUZ DAS GALÁXIAS GIRATÓRIAS. E foi assim que os seres luminosos, que formaram as inúmeras alianças, federações e concílios dos fiéis das estrelas, escolheram encarnar no planeta Terra para ajudar neste crucial evento: O DESPERTAR DO SONO PLANETÁRIO. Foi elaborado um processo de proteção do plano, para despertar a esses seres, da ilusão da separação e do véu do esquecimento, que é tão comum sobre a Terra.
Os seres luminosos que viajaram para ajudar a GAIA concordaram em AVIVAR uns aos outros a lembrança. Assim, essas sementes estelares deixaram códigos em várias formas, como sons, cores, luzes, imagens, palavras e símbolos, uma ressonância vibracional, que as ajudaria a recordar seu compromisso com a luz. Ficou estabelecido que essas chaves codificadas apareceriam em todas as partes: na arte e na música vibracionária, em olhares penetrantes, em conversações e sentimentos, tudo criando um profundo desejo de despertar e chegar a ser a ENCARNAÇÃO DO AMOR.
Assim, vocês, os filhos do SOL, estão agora sendo banhados com a água da recordação, preparados, como guerreiros do arco-íris, para completar a promessa do novo e antigo mito, simplesmente assegurando a presença do AMOR NA TERRA. Sua escolha amorosa descansará no manto dos deuses, enviando ondas de cura e de amor, pelo corpo receptivo de Gaia.
E enquanto despertam neste tempo, seus dons despertarão e habilitarão a outros. Utilizando as ferramentas do riso, do canto, da dança, da alegria, do gozo, da confiança e do amor, vocês estão criando uma profunda onda de transformação, que transmutará as limitações do antigo mito da dualidade e da separação, realizando o milagre da paz e da unidade sobre a Terra.
Utilizem seus dons em benefício de Gaia. Numa supernova de consciência, Gaia e seus filhos ascenderão em vestimentas de luz, formando um LUMINOSO CORPO DE LUZ E DE AMOR, para renascer em direção às estrelas. O CHAMADO MÍTICO FOI EMITIDO. O grande desafio começou. DESPERTEM, GUERREIROS DO ARCO-ÍRIS, MENSAGEIROS DO SOL, SERES LUMINOSOS DAS ALIANÇAS GALÁCTICAS, FEDERAÇÕES E CONCÍLIOS. Antigos caminhantes do céu, graduados novamente neste momento, permaneçam na beleza e no poder do amor de Gaia. Deixem de lado a desconfiança. Vocês são filhos divinos do Sol, vão para onde seus corações os levem, a fim de compartilhar seus grandes dons. Entreguem-se à magia na Terra.
LEMBREM-SE DE QUE DANÇAMOS E CANTAMOS AQUI POR UM ÚNICO CORAÇÃO.